A Brief Grammar of the Portuguese Language with Exercises and Vocabularies

Front Cover
H. Holt, 1910 - 216 pages
0 Reviews
Reviews aren't verified, but Google checks for and removes fake content when it's identified
 

What people are saying - Write a review

We haven't found any reviews in the usual places.

Other editions - View all

Common terms and phrases

Popular passages

Page 153 - Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá; As aves que aqui gorjeiam, Não gorjeiam como lá. Nosso céu tem mais estrelas, Nossas várzeas têm mais flores, Nossos bosques têm mais vida, Nossa vida mais amores. Em cismar, sozinho, à noite, Mais prazer encontro eu lá; Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá.
Page 153 - ... a vegetação sobre suas covas, o sopro que lhes dilatava o coração e lhes inspirava a sua alegria perpétua. Foi assim que o problema moral da escravidão se desenhou pela primeira vez aos meus olhos em sua nitidez perfeita e com sua solução obrigatória. Não só esses escravos não...
Page 152 - Pai nosso que estás nos céus, santificado seja o teu nome: venha o teu reino, seja feita a tua vontade, assim na Terra como no Céu...
Page 153 - Eram essas as ideias que me vinham entre aqueles túmulos, para mim, todos eles, sagrados( e então ali mesmo, aos vinte anos, formei a resolução de votar a minha vida, se assim me fosse dado, ao serviço da...
Page 153 - ... luz do sol, onde a todas as ambições é licito pretender e esperar tudo, onde a lei, atirada para o charco das ruas pelo pé desdenhoso dos grandes, vai lá servir de joguete ás multidões desenfreiadas, onde a liberdade do homem, a magestade dos príncipes e as virtudes da família se converteram em três grandes mentiras, ha ahi uma nação que vai morrer.
Page 153 - Ana Rosa Falcão de Carvalho, jaz na parede ao lado do altar, e pela pequena sacristia abandonada penetrei no cercado onde eram enterrados os escravos. . . Cruzes, que talvez não existam mais, sobre montes de pedras escondidas pelas urtigas, era tudo quase que restava da opulenta fábrica, como se chamava o quadro da escravatura.
Page 153 - Das naos as velas concavas inchando: Da branca escuma os mares se mostravam Cobertos, onde as proas vão cortando As maritimas aguas consagradas, Que do gado de Próteo são cortadas.
Page 153 - A gratidão estava do lado de quem dava . Eles morreram acreditando-se os devedores . . . seu carinho não teria deixado germinar a mais leve suspeita de que o senhor pudesse ter uma obrigação para com eles, que lhe pertenciam...
Page 153 - Vós, poderoso Rei, cujo alto Imperio O sol logo em nascendo vê primeiro; Vê-o tambem no meio do Hemispherio, E quando desce o deixa derradeiro: Vós, que esperamos jugo e vituperio Do torpe Ismaelita cavalleiro, Do Turco Oriental, e do Gentio, Que inda bebe o licor do sancto rio: • l* IX.

Bibliographic information