Page images
PDF
EPUB

17 testemunhas toda a questão fique decidida; e se elle recusar ouvil-as, dize-o á egreja; e se tambem recusar ouvir a egreja, considera-o como gentio e 18 publicano. Em verdade vos digo: Tudo o que ligardes sobre a terra, será ligado no céo; e tudo o que desligardes sobre a terra, será desligado no céo. 19 Ainda vos digo mais que se dois de vós sobre a terra concordarem em pedir alguma cousa, ser-lhes-á feita 20 por meu Pae que está nos céos. Porque onde dois ou tres estão congregados em meu nome, alli estou eu no meio delles.

Quantas vezes se deve perdoar a um irmão. A parabola do credor incompassivo.

21

Então Pedro, approximando-se, lhe perguntou: Senhor, quantas vezes peccará meu irmão contra mim, que lhe hei de perdoar? será até sete vezes? 22 Respondeu-lhe Jesus: Não te digo que até sete 23 vezes, mas até setenta vezes sete. Por isso o reino

dos céos é semelhante a um rei, que resolveu ajus24 tar contas com os seus servos. E tendo começado

a ajustal-as, trouxeram-lhe um que lhe devia dez 25 mil talentos1. Não tendo, porém, o servo com que pagar, ordenou o seu senhor que fossem vendidoselle, sua mulher, seus filhos e tudo quanto possuia, 26 e que se pagasse a divida. O servo, pois, prostran

do-se, o reverenciava, dizendo: Tem paciencia com27 migo, que te pagarei tudo. E o senhor teve compaixão daquelle servo, deixou-o ir e perdoou-lhe a 28 divida. Tendo sahido, porém, aquelle servo, encontrou um de seus companheiros, que lhe devia cem denarios; e segurando-o, o suffocava, dizendo-lhe : 29 Paga o que me deves. E este, cahindo-lhe aos pés,

implorava: Tem paciencia commigo, que te paga30 rei. Elle, porém, não o attendeu; mas foi-se em

bora e mandou conserval-o preso, até que pagasse a 31 divida. Vendo, pois, os seus companheiros o que se 1 Um talento valia 1:890$, moeda brazileira.

tinha passado, ficaram muitissimo tristes, e foram contar ao seu senhor tudo o que havia acontecido. 32 Então o seu senhor, chamando-o, disse-lhe: Servo

malvado, eu te perdoei toda aquella divida, porque 33 me pediste; não devias tu tambem ter compaixão 34 do teu companheiro, como eu tive de ti? Eirou-se

o seu senhor e o entregou aos verdugos, até que pa35 gasse tudo o que lhe devia. Assim tambem meu Pae celestial vos fará, se cada um de vós do intimo do coração não perdoar a seu irmão.

19

Jesus atravessa o Jordão.

Tendo Jesus dito estas palavras, deixou a Galiléa e foi para os confins da Judéa alem do Jordão. 2 Seguiram-n-o grandes multidões, e alli curou os doentes.

3

A questão do divorcio.

E vieram a elle alguns phariseus, e o experimentaram, perguntando: E' licito a um homem 4 repudiar sua mulher por qualquer causa? Respon

deu Jesus: Não tendes lido que o Creador desde o 5 principio os fez homem e mulher, e disse: Por esta razão o homem deixará seu pae e sua mãe e se unirá a sua mulher, e os dois se tornarão uma só carne? 6 Assim já não são dois, mas uma só carne. Portanto 7 o que Deus ajuntou, não o separe o homem. Re

plicaram-lhe: Porque, então, mandou Moyses dar 8 carta de divorcio e repudiar a mulher? Respondeu Jesus: Por causa da dureza do vosso coração é que Moysés vos permittiu repudiar vossas mulheres, 9 mas não foi assim desde o principio. E eu vos digo que aquelle que repudiar sua mulher, excepto por infidelidade, e casar com outra, commette adulterio1. 10 Disseram-lhe os discipulos: Se tal é a condição de um homem para com sua mulher, não convem casar. 11 Mas elle respondeu: Nem todos podem acceitar este 1 Alguns manuscriptos inserem: e o que se casar com a repudiada, commette adulterio.

25

conceito, mas somente aquelles a quem é dado. 12 Porque ha eunuchos, que nasceram assim; ha outros, a quem os homens fizeram taes; e outros ha, que se fizeram eunuchos por causa do reino dos céos. Quem póde acceitar isto, acceite-o.

33

13

Jesus abençoa os meninos.

Então lhe trouxeram alguns meninos, para que lhes impozesse as mãos e orasse por elles; e os dis14 cipulos reprehenderam aos que os trouxeram. Jesus, porém, disse: Deixae os meninos, e não os impeçaes de virem a mim; porque dos taes é o reino 15 dos céos. E depois de lhes impor as mãos, partiu dalli.

16 17

O moço rico.

Chegou um moço e perguntou-lhe: Mestre, que cousa boa farei para ter a vida eterna? Respondeulhe Jesus: Porque me perguntas sobre o que é bom? Um ha que é bom; mas se queres entrar na Vida, 18 guarda os mandamentos. Elle inquiriu: Quaes?

Respondeu Jesus: Não matarás, não adulterarás, 19 não furtarás, não dirás falso testemunho, honra a

teu pae e a tua mãe, e amarás ao teu proximo como 20 a ti mesmo. Replicou-lhe o moço: Tudo isso tenho 21 guardado; que me falta ainda? Disse-lhe Jesus:

Se queres ser perfeito, vae vender tudo o que tens, e dá-o aos pobres, e terás um thesouro nos céos; 22 depois vem seguir-me. O moço, porém, ouvindo estes preceitos, retirou-se triste; porque tinha muitos bens.

O perigo das riquezas. A parabola dos trabalhadores na vinha.

23 E Jesus declarou a seus discipulos: Em verdade

vos digo que um rico difficilmente entrará no reino 24 dos céos. Tambem vos digo que mais facil é passar um camelo pelo fundo de uma agulha, do que entrar 25 um rico no reino de Deus. Ouvindo isto, ficaram os discipulos muito admirados e perguntaram: Quem

26 póde, porventura, ser salvo? Jesus, volvendo os olhos para elles, respondeu: Aos homens é isto im27 possivel, mas a Deus tudo é possivel. Então Pedro lhe disse: E nós que deixámos tudo e te seguimos; 28 que receberemos? Respondeu-lhe Jesus: Em verdade vos digo que vós que me seguistes, quando na Regeneração o Filho do homem se assentar no throno da sua gloria, sentar-vos-eis tambem em doze thronos, para julgardes as doze tribus de Is29 rael. E todo o que tem deixado casas, irmãos, irmãs, pae, mãe, filhos ou terras por causa do meu nome, receberá muitas vezes mais, e herdará a vida 30 eterna. Porém muitos que são primeiros, serão os ultimos; e muitos que são ultimos, serão os primeiros. 20 1 Porque o reino dos céos é semelhante a um proprietario, que sahiu de madrugada a assalariar 2 trabalhadores para a sua vinha. E feito com os trabalhadores o ajuste de um denario por dia, man3 dou-os para a sua vinha. Tendo sahido cerca da

hora terceira, viu estarem outros na praça desoc4 cupados, e disse-lhes: Ide tambem vós para a minha

vinha, e vos darei o que for justo. E elles foram. 5 Sahiu outra vez cerca da hora sexta e da nona, e 6 fez o mesmo. E cerca da undecima, sahiu e achou

outros que lá estavam, e perguntou-lhes: Porque 7 estaes aqui todo o dia desoccupados? Responderam

lhe: Porque ninguem nos assalariou. Disse-lhes: 8 Ide tambem vós para a minha vinha. A' tarde disse o dono da vinha ao seu administrador: Chama os trabalhadores e paga-lhes o salario, começando pelos 9 ultimos e acabando pelos primeiros. Tendo chegado os que tinham sido assalariados cerca da undeci10 ma hora, receberam um denario cada um. E vindo os primeiros, pensavam que haviam de receber mais; porém receberam egualmente um denario 11 cada um. Ao receberem-n-o, murmuravam contra 12 o proprietario, allegando: Estes ultimos trabalha

ram somente uma hora, e os egualaste a nós, que 13 supportámos o peso do dia e o calor extremo. Mas

o proprietario disse a um delles: Meu amigo, não te faço injustiça; não ajustaste commigo um de14 nario? Toma o que é teu, e vae-te embora; pois 15 quero dar a este ultimo tanto como a ti. Não me

é licito fazer o que me apraz do que é meu? Aca16 so o teu olho é mau, porque eu sou bom? Assim os ultimos serão primeiros, e os primeiros serão ultimos.

Jesus ainda outra vez prediz a sua morte e resur

reição.

17 Estando Jesus para subir a Jerusalem, chamou á 18 parte os doze, e em caminho lhes disse: Eis que subimos a Jerusalem, e o Filho do homem será entregue aos principaes sacerdotes e aos escribas; elles 19 o condemnarão á morte, e o entregarão aos gentios para ser escarnecido, açoitado e crucificado, e ao terceiro dia resuscitará.

20

225

O pedido da mãe de Tiago e João.

Então se chegou a elle a mulher de Zebedeu com seus filhos, adorando-o e pedindo-lhe um favor. 21 Jesus perguntou-lhe: Que queres? Ella respondeu: Manda que estes meus dois filhos se assentem, um á tua direita, e outro á tua esquerda, no teu reino. 22 Mas elle replicou: Não sabeis o que pedis. Podeis

beber o calix que eu estou para beber? Responde23 ram elles: Podemos. Elle lhes disse: Na verdade haveis de beber o meu calix; mas o tomar assento á minha direita ou á minha esquerda, não me pertence concedel-o, porém será dado áquelles para quem es24 tá destinado por meu Pae. Ouvindo isto os dez, in25 dignaram-se contra os dois irmãos. Mas Jesus

chamou-os a si, e disse: Sabeis que os governadores dos gentios dominam os seus vassallos, e sobre elles 26 os grandes exercem auctoridade. Não é assim entre vós: mas quem quizer tornar-se grande entre

« PreviousContinue »